airplane-to-the-modern-world

Qual a importancia do avião para o mundo moderno

No século passado o homem criou o avião, sem nada de muita sofisticação mas de muita tecnologia para a época. Hodiernamente a sociedade vive com os maiores aviões já criados e que estão em constante atualizações, e sem perceber esquecem da grande importância que são eles no mundo moderno.

Essa falta de percepção pode  transformar um transporte que genuinamente exerce algo “simples” em levar pessoas de um lugar à outro se dar valor a sua grandeza, e a qual hoje em dia é cada vez mais importante, que deixa de ser uma invenção mirabolante para se tornar um aliado na globalização.

Sobre essa globalização, a ajuda do modal aeroviário é ligada a economia mundial que usufrui dessa estrutura para estabelecer comércio entre os países. Com esses elementos a importância do avião para esse contínua transição é para além de importações e exportações, mas também o turismo.

A Economia Mundial

A indústria aeronáutica impulsionou segmentos, esses segmentos estabeleceram mais vínculos entre os países. A partir das industrializações recorrentes pós Segunda Guerra Mundial, todo o contexto de ligação entre os paíeses mudou.

O desenvolvimento nos setores de telecomunicações, informática que através dos satélites, internet, telefones fixos e móveis, redes de televisão e agências de notícias impulsionaram a economia, ficando altamente lucrativa no ramo do turismo.

Que para além disso, abre caminho para o comércio de importação e expotação entre os países; com o avião a rapidez de entrega e recebimento é benéfica para ambos os lados, e conforme a indústria aeronáutica evolui, maiores serão os resultados positivos dessa engrenagem.

Turismo sendo mais uma forma de linha entre os países

Ao abordar essa relação tênue do turismo como forma de analtecer a grandeza do avião, pode-se citar que essa mudança começa ápos a Segunda Guerra Mundial, que passa o uso de aviões como armas para promover essa integração econômica de comércio, produção, de serviços e do turismo.

Há um fluxo constante de pessoas que viajam anualmente, tanto viagens a lazer quanto viagens a trabalho. Mas mantendo o foco no turismo, conforme os países investiram em lazer, as visitas para museus, parques temáticos e outros, fez crescer a indústria aérea e todo seus seguimentos, como agência de viagens que tomou como incentivo esse aumento da procura em viajar.

Os avanços das técnicas de construção aeronáutica pode ser o principal fator para esse aumento do número de viajantes, os aviões ficaram mais seguros, maiores e mais rápidos. Tudo isso fez com que a procura por passagens crescesse criando um ambiente de concorrência entre as agências, tornando as passagens aéreas relativamente mais baratas.

Hoje em dia

Com a formação dos avanços da aeronáutica, o surgimento das telecomunicações é que se dá o resultado econômico que temos hoje. O turismo ainda como um forte aliado da globalização, e essa nas constantes transformações que compactuam para que o modal aeroviário não deixe de ser essencial para as sociedades.

O avião não pode ser visto apenas como uma máquina que sirva para exploração de dinheiro, ele tem que se aliar também as necessidades do homem. Como aviões que ajudam na entrega de alimentos a áreas afetadas por conflitos de guerra, populações atingidas por catástrofes naturais e qualquer outo tipo de prejuízo que possa enfraquecer uma população.

Nesses momentos vemos que atualmente o avião é o auxílio de maior respeito e eficiência, sem ele não teríamos idéia de como está sobrevivendo uma sociedade, a comunicação coligada ao avião exerceu e ainda exerce papel fundamental em nossas vidas.Mesmo que se fale em acidentes aéreos, ele ainda é o transporte mais seguro existente no mundo e com maior rapidez.

Comentamos somente de aviões de viagens, mas há aviões que auxiliam por exemplo na agricultura, que são feitos para ajudar na irrigação do plantio, aviões de correspondência, de meteorologia e outros.

Negar o avião como maior transporte atual é se fechar a olhar para essas afirmações e não ver o quão evoluído é o ser humano em criar algo tão tecnológico que atue em diversas áreas. Em sua grande maioria o avião é o auxílio que não se pode ser excluído da sociedade.

Ainda que para muitos seja caro ter acesso à andar de avião, devemos saber de sua importância, tanto para a globalização quanto para as populações que se abastecem de doações e que são entregues pelo avião.

Toda a estrutura aeroviária caminha rumo a maiores evoluções e atualizações de seus próprios sistemas, chegará a hora em que andar de avião será acessível a todos, o turismo proporcionará ainda mais jeitos para que a ligação entre os países seja cada vez menor, com o auxílio do avião que estará sempre no alto para acompanhar o mundo e que observe mais benefícios a partir dele para toda as sociedades.

Fernanda Forgerini

Brazilian-crisis

A política econômica atual do Brasil passa por espreitos caminhos para se salvar de mais um ano no vermelho.

Com o otimismo de sair da recessão econômica que se alastra pelo país, iniciamos o ano de 2017 na esperança de ver o Brasil se reerguer diante do desemprego, da alta inflação e de que o PIB (Produto Interno Bruto) volte a subir. Todas essas expectativas nos fazem pensar o porquê do país ter se afundado nessa crise.

Nos anos seguintes de 2013, após o despertar da população para com suas revindicações, o governo passou por inúmeros terremotos que não se via há tempos no país. A crise brasileira pode ser vista como uma crise enraizada, como causa da corrupção ativa que enfrentamos constantemente e da atual  quebra na indústria, em que os serviços estão cada vez menores.

Essas causas dá as consequências amargas que uma grande parte da população brasileira vem enfrantando. O pessimismo de ainda se manter tempos difíceis assombra a todos, principalmente a classe mais pobre do país, que diante da crise não enxerga perspectiva de melhora.

A Taxa de Desemprego

O desemprego no Brasil é uma das consequências mais preocupantes da crise, há uma taxa de aproximadamente 12% de desempregados no Brasil, cerca de 13 milhões de pessoas. Essa taxa é maior entre os jovens que não estão no mercado de trabalho.

Para além de jovens sem emprego na sua área de formação, os próximos concorrentes, que possam integrar a classe acabam deixando de lado sua formação, ja que para consigar algo é preciso ter experiências e componentes a favor do seu currículo. Num cenário de estagnação e alta inflação, o investimento  na formação dos jovens é menor.

Esse fato é chamado de Capital Humano, que é a capacidade em investir na preparação de um cidadão educado, crítico e que seja produtivo, esse investimento é contínuo ao longo da vida e que exige constante atualizações. Nesse caso, a falta de incentivo não se recupera tão facilmente quanto um capital industrial, que pode se consolidar com maior facilidade.

Não tendo esse investimento e com a falta de trabalho, o jovem não se vê apto e nem com qualidade para continuar na procura por emprego, mesmo que o mercado de trabalho volte a subir, essa estagnação faz com que reduza a produtividade do indivíduo e que não se torne mais um competitidor atualizado, reduzindo ainda mais suas chances.

Há uma crise polítca também?

Muitos economistas dizem haver uma crise política que está abalando o país, assim como a crise econômica; para alguns é somente na política que há a crise e a partir dela se arrasta para fora. O sistema político brasileiro passa por situações que deixa imprevisível o próximo passo.

Após o impeachement de Dilma Roussef, toda a base aliada ao seu governo sofre constantes perdas no congresso, as novas medidas de contenção de gastos (PEC 51) e reformas como na previdência e da tercerização por exemplo, compactuam para mais retrocessos na crise brasileira, elas inviabilizam que a classe pobre do país tenha uma vida digna.

As ações políticas que tramitam por Brasília para reformar medidas já existentes da lei trabalhista, terceirização e da previdência não se enquadra á um país como o Brasil, onde a desigualdade social é ainda muito elevada. Essas medidas apenas irão ajudar o empresariado brasileiro e desmantelar os mais pobres.

Há a necessidade de atualizações no que tange a Previdência Social, conforme a taxa vegetativa congela e a expextativa de vida aumenta, o número de aposentados irá sobrecarregar as contas públicas, criando um déficit na entrada e saída da contribuição. Já que, o números de trabalhadores não será o suficiente para suprir o número de aposentados.

Mas na nova reforma, o Governo cria uma taxa maior de contribuição (49 anos) e idade mínima de 65 anos para toda a população, sem distinção de idade entre mulher e homem. O erro dessa nova reforma é colocar uma carga nas costas do trabalhador brasileiro a contribuir para o resto de sua vida, mesmo sendo tortuso conseguir se manter no mercado de trabalho.

Sem esquecer que com a terceirização aprovada recentemente, a precarização do trabalho se faz presente, a rotatividade poderá ser maior, ou seja, o trabalhador pode não sustentar seu emprego e ser demitido sem nenhum direito á seu favor, pois em futura votação, a lei trabalhista pode negar certas negociações entre patrão e empregado, e todas elas podem prejudicar o trabalhador.

Ardúa Caminhada

O Brasil continua sendo o país com os maiores juros em diversos setores, essa alta do juros não fortalece a economia e deixa o consumidor brasileiro com receio de gastar, deixando o mercado enfraquecido pela falta de compra. Mas, alimenta cada vez mais o empresariado que se sustenta pela renda desses juros. Ou seja, mais uma vez a classe pobre do país é refém da classe dominante.

A economia brasileira caminha a passos pequenos para uma saída da estagnação em que se encontra, não será da noite para o dia que acordaremos com empregos para todos, a volta da indústria, juros com baixo percentual e principalmente, a consolidação de reformas sociais que visem o bem estar da população.